Live Chat
Oferta Prazo Limitado: Entrega Mundial Grátis em Pacotes de 3 Meses ou Mais

OS RESULTADOS ESTÃO AQUI:

O PRIMEIRO estudo clinico do VigRX Plus® Com Homens de Verdade Está Completado… …E Os Resultados Sao Incríveis! Em apenas 84 dias, os participantes do estudo relataram:

  • UM AUMENTO de 58.97% Na Abilidade de Penetrar a Parceira!
  • UM AUMENTO de 71.43% Na Satisfação Sexual!
  • UM AUMENTO de 47% No Desejo Sexual!
  • UM AUMENTO de 62.82% Na Abilidade de Manter uma Ereção!
  • UM AUMENTO de 22.49% Na Frequencia e Qualidade dos Orgasmos
  • UM AUMENTO de 61% Na Vontade Sexual!
*Resultados individuais podem variar
Os resultados demonstrados são de um teste controlado triplo-cego, conduzido por Vedic Lifesciences Pvt. LTD.
Durante os ultimos dez anos, estamos recebendo depoimentos e declarações direto de nossos clientes sobre o VigRX Plus®.
Então já sabiamos que era extremamente potente.
Mas temos que admitir, até nós ficamos surpresos quando recebemos os resultados do no estudo clinico de 84 dias, completado pela Vedic Lifesciences Pvt. Ltd.

Já sabiamos que era bom.

Mas não sabiamos que ERA TÃO BOM assim!
Se você deseja, pode ler o documento de 56 paginas do nosso estudo clinico (em inglês) que recebemos diretamente da Vedic Lifesciences.
Porém, sabemos que seu tempo é precioso, então fizemos um resumo das partes mais importantes do nosso estudo:
O estudo foi feito pela Vedic Lifesciences Pvt. Ltd.
Foi um estudo triplo-cego, que significa que ninguém envolvido na availação (doutores, pesquisadores, etc) sabiam se os participantes estavam tomando VigRX Plus® ou a pílula de controle.
O teste rodou por 84 dias, com visitas para availação no Dia 28, Dia 56, e Dia 84.
  1. Frequencia de Ereções
  2. Firmeza de Ereções
  3. Frequencia de Penetração na Parceira
  4. Frequencia em Manter Ereção Depois da Penetração
  5. Abilidade de Manter uma Ereção durante a Relação Inteira
  6. Confiança Em Ter e Manter Ereções
Os resultados foram availiados usando o sistema IIEF – o Index Internacional de Função Erétil. Esse sistema de avaliação é muito respeitado na comunidade internacional e tem demonstrado resuldados consistentes nos Estados Unidos, Europa e Asia. Ele mede:
Pacote do VigRX Plus
Satisfação do Paciente e da Parceira usando um questionário reconhecido internacionalmente chamado EDITS.
E antes do começo do estudo, os protocolos e suas mudanças foram enviados para o Comitê Independente Institucional de Éticas (IEC).
Os 75 homens que participaram no estudo tinham entre 25 e 50 anos, em um relacionamento monógamo, hererosexual.
Eles concordaram em tomar a dose recomendada do VigRX Plus® – 2 pílulas, duas vezes por dua com refeições por 12 semanas.
De 108 pessoas que registraram para o estudo, 78 pessoas foram escolhidas para participar – e 75 completaram o estudo.
Nenhum participante tinha nenhum condição psiquiátrica, ou algum histórico de doença vascular, problemas cardíacos, diabete, lesões na medula espinhal, deformações no penis, HIV/Aids, ou qualquer doença sexual transmisivel. Nenhum era alcoolatra, ou usava algum medicamento que causa disfunção sexual, problemas nos rins ou baixa testosterona, e nenhum tinha parceira sexual que estava grávida.

Resultado No. 1: AUMENTO DE 62.82% na habilidade de manter uma ereção durante a penetração

Depois de 84 dias usando o VigRX Plus®, homens que participaram no nosso estudo, relataram um AUMENTO de 62.82% na própia habilidade de manter ereções grossas, cheias e duras durante a penetração com sua parceira.
Esse resultado foi comparado com o grupo placebo controlado, veja a tabela.
Tabela descrevendo os resultados na habilidade de manter ereções depois da penetração

Resultado No. 2: UM AUMENTO de 58.97% na habilidade de penetrar a parceira

Durante esse estudo, ambos o paciente COMO TAMBÉM sua parceira sexual foram entrevistados usando a escala EDITS, e a sua satisfação sexual medida e comparada – VigRX Plus® contra o controle placebo.
Um resultado bem interessante…
Parceiras de pacientes tomando VigRX Plus® relataram um AUMENTO de 58.97% na habilidade de penetrar-las, com um aumento enorme na satisfação delas!
Enquanto isso, parceiras dos homens que estavam tomando o remédio placebo controlado, relataram uma DIMINUIÇÃO na penetração durante esse mesmo periodo!
Veja a tabela abaixo::
Tabela descrevendo a habilidade de penetrar a parceira

Resultado No. 3 UM AUMENTO DE 22.49% na quantidade de orgasmos

Comparado com o grupo controlado da placebo, os homens tomand VigRX Plus® relataram, no periodo de 84 dias, um aumento de 22.49% no numero total de orgasmos que eles tiveram.
Ultima vez que checamos, maior quantidade de orgasmos significa MELHOR satisfação sexual.

Resultado No. 4: AUMENTO DE 47.00% no desejo e vontado sexual

Um dos motivos que VigRX Plus® foi concluído a ser, potencialmente, superior que os remédios de ereção com receita médica, é porque ele demonstrou um aumento significante no desejo sexual.
Remédios com receita médica só afetam suas ereções – eles não tem impacto no seu desejo sexual.
Porém desejo sexual e qualidade de ereções tem uma CONEXÃO!
Então temos certeza que, sabendo que o VigRX Plus® tem demonstrado um aumento no desejo sexual de 47% e também um aumento na qualidade e frequencia de ereções, significa que faz algo que remédios com receita simplesmente não foram criados para fazer.

Resultado No. 5: UM AUMENTO DE 71.43% na satisfação sexual e satisfação de penetração.

Homens que tomaram VigRX Plus® durante o periodo do estudo, tambem demonstraram um aumento de 71.43% na sua satisfação sexual e na sua satisfação de penetração.
Isso comparado com apenas 12% de melhora relatada com os homens que tomaram o teste controlado placebo!
Isso significa que caras que tomaram VigRX Plus® tiveram quase 6 VEZES mais satisfação sexual durante os 84 dias de estudo, do que os que tomaram o teste controlado placebo!

Resultado No. 6: AUMENTO DE 61.00% na satisfação sexual total

E finalmente, quando todos resultados foram somados, depois de 84 dias os pacientes tomando o VigRX Plus® relataram um aumento de 61% na sua satisfação sexual total…
… Enquanto no teste placebo, os homens relataram um DIMINUIÇÃO na satisfação sexual!
E não esqueça: esse foi um teste triplo-cego, que significa que doutores, pesquisadoes, e os pacientes não tinham absolutamente NENHUMA IDEIA se eles tavam tomando o teste placebo ou o VigRX Plus®.
Isso completamente elimina qualquer preconceito nos resultados!
Qualidade Das Ereções Comparadas Durante 12 Semanas:
Como pode ver, durante as 12 semanas do estudo, VigRX Plus® produziu aumentos significantes na qualidade das ereções, comparado com o teste controlado placebo.

Os Participantes do Estudo Respondem a Pergunta:

“Você Continuaria Tomando VigRX Plus® Ou o Placebo? Sim ou Não?”
Gráfico comparando os resultados dos participantes do estudo entre usando VigRX Plus e o controle Placebo
Garantia 100% de Satisfação

Você não tem nada
a perder e
praticamente
TUDO a ganhar​

Com nossa 100% Devolução de Dinheiro
"CAIXA VAZIA GARANTIA"

Garantia de Devolução de 67 Dias

Convidamos você a provar
NOSSO PRODUTO POR 67 DIAS

Nossa promessa para você é simples: Se, por qualquer motivo, você não esta 100% satisfeito, simplesmente retorne até duas caixas vazias dentro dos 67 dias desde a data de entrega para devolução completa menos os custos de entrega.
E se você deseja tomar oportunidade de nossos discontos com encomendas de várias caixas, não se preocupe! Qualquer caixas seladas retornadas juntas com suas primeiras duas que foram abertas dento dos 67 dias de garantia, você irá receber seu dinheiro completamente de volta, menos qualquer custos de entrega.
Com isto dito, nós pedimos com respeito para que você não envie nenhum produto depois do vencimento dos 67 dias. Devoluções precisam ser recebidas em nosso armazén dentro de 67 dias da data de entrega, sem excessões. E por favor lembre-se que devemos limitar devoluções ao máximo uma por cliente.

VigRX Plus
Referências de Pesquisa

  1. National Institutes of Health Consensus Development Panel on impotence: JAMA 1993, 270(1):83–90
  2. Laumann EO, Nicolosi A, Glasser DB, Paik A, Gingell C, Moreira E, Wang T: for the GSSAB Investigators’ Group: Sexual problems among women and men aged 40–80 y: prevalence and correlates identified in the Global Study of Sexual Attitudes and Behaviors. Int J Impot Res 2005, 17:39–57.
  3. Aytac A, McKinlay JB, Krane RJ: The likely worldwide increase in erectile dysfunction between 1995 and 2025 and some possible policy consequences. Br J Urol Int 1999, 84:450–456
  4. Shamloul R: Natural aphrodisiacs. J Sex Med 2010, 7:39–49
  5. Tamler R, Mechanick JI: Dietary supplements and nutraceuticals in the management of andrologic disorders. Endocrinol Metab Clin North Am 2007, 36(2):533–552.
  6. McKay D: Nutrients and botanicals for erectile dysfunction: examining the evidence. Altern Med Rev 2004, 9(1):4–16
  7. Dietary Supplement Health and Education Act of 1994 (DSHEA).
  8. Villafranco JE, Bond K: Dietary supplement labeling and advertising claims: are clinical studies on the full product required? Food Drug Law J 2009, 64(1):43–67.
  9. Glisson JK, Walker LA: How physicians should evaluate dietary supplements. Am J Med 2010, 123(7):577–582
  10. Fleshner N, Harvey M, Adomat H, Wood C, Eberding A, Hersey K, Guns E: Evidence for contamination of herbal erectile dysfunction products with phosphodiesterase type 5 inhibitors. J Urol 2005, 174(2):636–641.
  11. Smitasirib Y, D’Souzac P, Neal-Kababickd J, Schauss AG: An Initial Evaluation of the Safety, Efficacy and Purity of VigRX, a Herbal Combination Formula, for the Enhancement of Male Sexual Health. The Open Natural Products Journal 2010, 3:10–19.
  12. Chitaley K, Webb RC, Mills TM: The ups and downs of Rho-kinase and penile erection: upstream regulators and downstream substrates of rhokinase and their potential role in the erectile response. Int J Impot Res 2003, 15:105–109.
  13. Chitaley K, Webb RC, Mills TM: Rho-kinase as a potential target for the treatment of erectile dysfunction. Drug News Perspect 2001, 14(10):601–606
  14. Rosen R, Riley A, Wagner G, Osterloh I, Kirkpatrick J, Mishra A: The international index of erectile function (IIEF): a multidimensional scalefor assessment of erectile dysfunction. Urology 1997, 49:822–830.
  15. Barnes PM, Powell-Griner E, McFann K, Nahin RL: Complementary and alternative medicine use among adults: United States, 2002. Advance data from vital and health statistics; no 343. Hyattsville, Maryland: National Center for Health Statistics; 2004
  16. Thurairaja R, Barrass B, Persad R: Internet websites selling herbal treatments for erectile dysfunction. Int J Impot Res 2005, 17(2):196–200
  17. Marwick C: Survey says patients expect little physician help on sex. JAMA 1999, 281(23):2173–2174.
  18. Vickers A, Zollman C, Lee R: Herbal medicine. West J Med 2001, 175(2):125–128
  19. de Andrade E, de Mesquita AA, Claro Jde A, de Andrade PM, Ortiz V, Paranhos M, Srougi M: Study of the efficacy of Korean Red Ginseng in the
  20. Hong B, Ji YH, Hong JH, Nam KY, Ahn TY: A double-blind crossover study evaluating the efficacy of korean red ginseng in patients with erectile
  21. Gauthaman K, Ganesan AP: The hormonal effects of Tribulus terrestris and its role in the management of male erectile dysfunction–an evaluation using primates, rabbit and rat. Phytomedicine 2008, 15(1–2):44–54
  22. Gauthaman K, Adaikan PG, Prasad RN: Aphrodisiac properties of Tribulus Terrestris extract (Protodioscin) in normal and castrated rats. Life Sci 2002, 71(12):1385–1396
  23. Gauthaman K, Ganesan AP, Prasad RN: Sexual effects of puncturevine (Tribulus terrestris) extract (protodioscin): an evaluation using a rat model. J Altern Complement Med 2003, 9(2):257–265.
  24. Adimoelja A, Ganeshan AP: Protodioscin from herbal plant Tribulus terrestris L improves the male sexual functions, probably via DHEA. Int J Impot Res 1997, 9(supp 1):S1–S70.
  25. Pytel Y, Vinarov A, Lopatkin N, Sivkov A, Gorilovsky L, Raynaud J: Long-term clinical and biological effects of the liposterolic extract of serenoa repens in patients with symptomatic benign prostatic hyperplasia. Adv Ther 2002, 19(6):297–306.
  26. Arletti R, Benelli A, Cavazzuti E, Scarpetta G, Bertolini A: Stimulating property of Turnera diffusa and Pfaffia paniculata extracts on the sexualbehavior of male rats. Psychopharmacology (Berl) 1999, 143(1):15–19.
  27. Estrada-Reyes R, Ortiz-López P, Gutiérrez-Ortíz J, Martínez-Mota L: Turnera diffusa Wild (Turneraceae) recovers sexual behavior in sexually exhausted males. J Ethnopharmacol 2009, 123(3):423–429
  28. Paick JS, Lee JH: An experimental study of the effect of Ginkgo biloba extract on the human and rabbit corpus cavernosum tissue. J Urol 1996, 156:1876–1880
  29. Liu WJ, Xin ZC, Xin H, Yuan YM, Tian L, Guo YL: Effects of icariin on erectile function and expression of nitric oxide synthase isoforms in castrated rats. Asian J Androl 2005, 7(4):381–388
  30. Tian L, Xin ZC, Liu WJ, Yang YM, Liu G, Chen L, Fu J, Wang LL: Effects of icariin on the erectile function and expression of nitrogen oxide synthase isoforms in corpus cavernosum of arterigenic erectile dysfunction rat model. Zhonghua Yi Xue Za Zhi 2004, 84(11):954–957.
  31. Hanson-Divers C, Jackson SE, Lue TF, Crawford SY, Rosen RC: Health outcomes variables important to patients in the treatment of erectile dysfunction. J Urol 1998, 159(5):1541–1547.
  32. Fransen HP, Pelgrom SM, Stewart-Knox B, de Kaste D, Verhagen H: Assessment of health claims, content, and safety of herbal supplements containing Ginkgo biloba. Food Nutr Res 2010, 54. doi:10.3402/fnr.v54i0.5221.
  33. Santaella RM, Fraunfelder FW: Ocular adverse effects associated with systemic medications: recognition and management. Drugs 2007, 67(1):75–93.
  34. Heaton J, Hackett GI, Savage D, Padley RJ: Patient choice is critical in managing erectile dysfunction. Eur Urol 2002, 3(Suppl. 1):33–37
  35. Althof SE, Corty EW, Levine SB, Levine F, Burnett AL, McVary K, Stecher V, Seftel AD: EDITS: development of questionnaires for evaluating satisfaction with treatments for erectile dysfunction. Urology 1999, 53(4):793–799.
  36. Giannitsas K, Konstantinopoulos A, Patsialas C, Perimenis P: Preference for and adherence to oral phosphodiesterase-5 inhibitors in the treatment of erectile dysfunction. Patient Preferences and Adherence 2008, 2:149–155
  37. Montorsi P, Ravagnani PM, Galli S, Rotatori F, Briganti A, Salonia A, Dehò F, Montorsi F: Common grounds for erectile dysfunction and coronary artery disease. Curr Opinion Urol 2004, 14:361–365.
  38. Gazzaruso C, Giordanetti S, De Amici E, Bertone G, Falcone C, Geroldi D, Fratino P, Solerte SB, Garzaniti A: Relationship between erectile dysfunction and silent myocardial ischemia in apparently uncomplicated type 2 diabetic patients. Circulation 2004, 110(1):22–26.
  39. Heruti R, Shochat T, Tekes-Manova D, Ashkenazi I, Justo D: Prevalence of erectile dysfunction among young adults: results of a large-scale survey. J Sex Med 2004, 1(3):284–291.
  40. Moore TM, Strauss JL, Herman S, Donatucci CF: Erectile Dysfunction in Early, Middle, and Late Adulthood: Symptom Patterns and Psychosocial Correlates. J Sex Marital Ther 2003, 29(5):381–399.
  41. Gott M, Hinchliff S: Barriers to seeking treatment for sexual problems in primary care: a qualitative study with older people. Fam Pract 2003, 20(6):690–695.
  42. Montorsi P, Montorsi F, Schulman CC: Is erectile dysfunction the ‘tip of the iceberg’ of a systemic vascular disorder? Eur Urol 2003, 44:352–354
  43. Montorsi F, Briganti A, Salonia A, Rigatti P, Margonato A, Macchi A, Galli S, Ravagnani PM, Montorsi P: Erectile dysfunction prevalence, time of onset and association with risk factors in 300 consecutive patients with acute chest pain and angiographically documented coronary artery disease. Eur Urol 2003, 44:360–365.
  44. Sun P, Cameron A, Seftel A, Shabsigh R, Niederberger C, Guay A: Erectile dysfunction–an observable marker of diabetes mellitus? A large national epidemiological study. J Urol 2006, 176(3):1081–1085
  45. Montorsi P, Ravagnani PM, Galli S, Rotatori F, Veglia F, Briganti A, Salonia A, Deho F, Rigatti P, Montorsi F, Fiorentini C: Association between erectile dysfunction and coronary artery disease. Role of coronary clinical presentation and extent of coronary vessels involvement: the COBRA trial. Eur Heart J 2006, 27:2632–2639
  46. Lizza EF, Rosen RC: Definition and classification of erectile dysfunction: Report of the nomenclature committee of the International Society of Impotence Research. Int J Impot Res 1999, 11:141–143.
  47. Moyad MA: Dietary supplements and other alternative medicines for erectile dysfunction. What do I tell my patients? Urol Clin North Am 2002, 29(1):11–22. vii.

We protect your privacy, and we use cookies to optimize your experience. Continued use of the website means you accept our Cookie Policy and Privacy Policy.